sexta-feira, 23 de abril de 2010

Ciêntista Que Estuda o Climax, Provoca o Orgasmo a 200 Mulheres


Para o bem da ciência , o neurociêntista norte americano Barry Komisaruk testou mais de 200 orgasmos femininos no seu laboratório. O investigador procura analisar o cerebro das mulheres quando chegam ao climax para comprender os mecanismos durante este estado de entusiasmo.

   Komisaruk procura comprender que papel têm as Hormonas, os pépdidos e os neurónios, e como se poderão provocar essas sensações de forma mais intença.
   "Quero encontrar uma maneira de poder aumentar o prazer na vida de toda a gente", disse o ciêntista que trabalha na Universidade de Medicina de Nova Jersey.
   Komisaruk, que tem 68 anos de idade tem dedicado grande parte da sua vida ao estudo da estimulação vaginal para as áreas do cerebro que se activam durante o climax.
   O ciêntista provocou o orgasmo a 200 mulheres que se auto estimularam com uma máquina de resunância magnética( fMRi - as suas siglas em inglês) para decifrar um dos maiores mistérios do orgasmo feminino: a activação de uma área do cerebro que também activa a sensação de odor.
   Com os seus estudos, o ciêntista chegou á conclusão que o orgasmo é um bloqueador natural do odor, é capaz de diminui-lo em mais de 50%, e que aumenta a sensibilidade da mulher ao tacto, e que por isso as carícias entre os casais aumenta muito mais.
   O ciêntista assegura que as expressões das voluntárias nao diferem muito de alguém que lhe passou um camião por cima de um pé.
Nesta área do estudo o cientista pergunta: -Qual a diferença entre o prazer e a dor?
   Este campo está rodeado de mistérios, como por exemplo, que função evolutiva tem o orgasmo feminino, algo que continua assunto de debate, que no caso masculino tem resultados menos claros. Komisaruk, acredita que há um propósito para o extase.
   Na opinião do cientista, as contrações do utero durante o orgasmo ajudam o esperma a chegar ás trompas e ovários para assim atingir a gravidês.
.