quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Luanda comemora hoje 436 anos da sua fundação
A cidade de Luanda celebra hoje (quarta-feira), 25 de Janeiro, o 436º aniversário da sua fundação, em 1576.

  Em 1575, o capitão português Paulo Dias de Novais, ao desembarcar na Ilha do Cabo, estabeleceu o primeiro núcleo de colonos portugueses: cerca de 700 pessoas, das quais 350 homens de armas, religiosos, mercadores e funcionários públicos.
   Um ano depois (1576), reconhecendo não ser aquele lugar adequado, avançou para terra firme e fundou a vila de São Paulo da Assunção de Luanda e lançou a primeira pedra para a edificação da igreja dedicada a São Sebastião, onde se encontra hoje o Museu das Forças Armadas.
   Trinta anos mais tarde, com o aumento da população europeia e do número de edificações, a vila de São Paulo da Assunção de Luanda tomou foros de cidade, estendendo-se de São Miguel ao largo fronteiriço ao antigo Hospital Maria Pia (actual Josina Machel).
  No período da União Ibérica, em 1618 foi construída a Fortaleza de São Pedro da Barra. A cidade tornou-se no centro administrativo de Angola desde 1627.
   Em 1634 foi construída a Fortaleza de São Miguel de Luanda. A cidade foi conquistada e esteve sob o domínio da Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais, de 1641 a 1648, quando foi recuperada para a Coroa Portuguesa por uma expedição enviada da Capitania do Rio de Janeiro,
  Brasil, por Salvador Correia de Sá e Benevides.
  De 1550 a 1850, Luanda foi um importante centro do tráfico de escravos para o Brasil.
  Enquanto apenas um quinto de suas importações era originária de Portugal, o restante era do Brasil.
  O equilíbrio na balança comercial era mantido com o intenso contrabando de escravos.
  A cidade limitava-se a funções militares, administrativas e de redistribuição.
  As indústrias eram praticamente inexistente e a instrução pública pouco evoluída.
  Em 1847, incluindo os edifícios públicos, a cidade contava com 144 casas com primeiro andar, 275 casas térreas e 1058 cubatas (cabanas de indígenas).
  Cidade de degredados, com cerca de cinco mil habitantes, possuía perto de cem tabernas, pelo que viajantes a qualificavam como moralidade duvidosa.
  Em 1889, o governador Brito Capelo inaugurou um aqueduto que forneceu água potável a cidade, anteriormente escassa, abrindo caminho para o grande crescimento de Luanda. Em 1872 Luanda recebeu o anónimo de "Paris da África".
  Luanda é a maior e a mais densamente habitada cidade de Angola. Inicialmente projectada para uma população a rondar os 500 mil habitantes, é hoje uma cidade superpovoada.
  Tem uma população de aproximadamente cinco milhões de habitantes (estimativa da ONU em 2004), o que a torna a terceira maior cidade lusófona do mundo, depois de São Paulo e Rio de Janeiro.
  Desde Novembro de 2011, a província de Luanda conta com uma nova divisão Político-administrativa. É constituída pelos municípios de Luanda, Belas, Cazenga, Viana, Cacuaco, Quissama e Icolo e Bengo.
  A zona central da cidade de Luanda está dividida em duas partes, a Baixa de Luanda (a cidade antiga) e a Cidade Alta (a nova cidade). A Baixa de Luanda está situada próxima do porto.
  O litoral é marcado pela Baía de Luanda, formada pela protecção do litoral continental por meio da Ilha de Luanda e a Baía do Mussulo, ao sul do núcleo urbano principal, formada pela restinga do Mussulo.
  O clima é quente e húmido, mas surpreendentemente seco, devido à fria Corrente de Benguela que impede a condensação da humidade para chuva.
  Frequentemente, o nevoeiro impede a queda das temperaturas durante a noite, mesmo durante o mês de Junho, que costuma causar secas completas até Outubro.
  Luanda possui uma precipitação anual de 323 milímetros, mas a variabilidade está entre as mais altas do mundo, com um coeficiente de variação superior a 40%.
  O curto período de chuvas nos meses de Março e Abril depende de uma contra-corrente de norte que traz humidade à cidade.
  Luanda é a maior cidade e capital de Angola. Localizada na costa do Oceano Atlântico, é o principal porto e centro administrativo de Angola.
  As indústrias presentes na cidade incluem a transformação de produtos agrícolas, produção de bebidas, têxteis, cimento e outros materiais de construção, plásticos, metalurgia, cigarros e sapatos.
  - in Angop-Agência Angola Press -